Páginas

segunda-feira, 11 de março de 2013

A Bela que é uma Fera !

Centralizadora, meticulosa e talentosa, Ana Hickmann fez com que os produtos licenciados com a sua marca ultrapassassem os R$ 400 milhões em vendas. 

Sentada à mesa de madeira maciça da sala de reuniões de sua empresa de comércio eletrônico, decorada com uma modéstia espartana, que nada lembra o fulgor de seus desfiles nas passarelas de Milão e Paris, a modelo, apresentadora e cada vez mais empresária Ana Hickmann procura desfazer a fama de centralizadora nos negócios. “Não faço tudo sozinha, não sou uma mulher biônica”, diz a bela. A despeito da ênfase, suas assessoras não se deixam intimidar pela hierarquia e começam a rir, dando razão aos que comparam Ana a uma mulher biônica, devido à quantidade de trabalho que consegue executar em um único dia. A supermodel acha graça da situação.

“O problema é que todas as minhas atividades exigem a minha presença”, diz a gaúcha de 32 anos e de 1,85 metro de altura, que chega a 1,90 metro em cima dos saltos altos. Isso é verdade não apenas para as suas sessões de fotos e para os programas de tevê que apresenta. A modelo também faz questão de acompanhar igualmente de perto todos os seus negócios, o que significa desde responder e-mails de madrugada até inventar o nome das cores de esmaltes que levam a sua marca AH. “Quando temos um esmalte novo, uso-o durante todo o dia para tentar pegar o espírito e encontrar algum nome que combine com ele”, diz Ana.

Situações como essas fazem parte da rotina de Ana como empresária. Há dez anos, ela começou a licenciar o seu nome para os sapatos da marca Vizzano, marca da gaúcha Calçados Beira Rio. Desde então mantém um controle próximo dos produtos que estampam o seu nome. “Quis conhecer a fábrica, a equipe de desenvolvimento, a história da marca”, diz. “Digo que, quando uma pessoa assina comigo, assina com uma chata.” O rigor tem dado resultado. Em 2012, as vendas dos produtos com a marca AH ultrapassaram a faixa de R$ 400 milhões, segundo a empresa. É um valor e tanto para o mercado de licenciamento que movimenta cerca de R$ 7,5 bilhões ao ano no varejo.

“Ana Hickmann é a personalidade que mais fatura e que mais bem trabalha com licenciamento no Brasil”, afirma Marici Ferreira, diretora presidente da Abral, a associação nacional do setor. “Ela cuida da qualidade final, é detalhista, preocupada e até visita o ponto de vendas.” A marca AH já compreende 13 linhas de produtos licenciados para dez empresas diferentes, e que são negociados em 48 países. São mais de três mil produtos, como relógios, óculos, semijoias, vestuário, itens de moda praia e acessórios para cabelos. Apenas com a linha de esmaltes, ela vendeu seis milhões de unidade, no ano passado. Agora, o novo salto da loira de pernas longas é uma parceria com a empresa de alimentos e cosméticos da família Zurita.

A empresa lançará, neste ano, fitoterápicos e suplementos alimentares com o nome de Ana. Mesmo depois de já ter os produtos aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ela prefere não detalhar o novo negócio, enquanto todas as questões de distribuição não estão resolvidas. Os produtos da empresária modelo também se beneficiam da sua imagem, cuidadosamente desenvolvida ao longo dos anos em conjunto com o marido e sócio, Alexandre Corrêa, que a faz ter boa aceitação em diferentes classes sociais e faixas etárias. O histórico no mundo da moda dá um caráter fashion às suas linhas. Por outro lado, a carreira de Ana na Rede Record como apresentadora de programas de auditório popularizou seu nome. 

“Todo ano fazemos pesquisas de percepção de marca”, afirma. “Percebemos que não tenho um único público alvo.” O nicho principal está entre as mulheres com idade entre 25 e 40 anos, que pretendem estar bem vestidas sem gastar muito. Mas, nos últimos tempos, ela também notou um aumento do consumo entre as adolescentes. Isso se espelha também nos preços dos seus produtos, que vão de um esmalte popular de R$ 1,80 a relógios e óculos com materiais sofisticados, que se aproximam do R$ 1 mil. Além de encontrados no varejo, todos esses itens são vendidos no site de e-commerce da modelo, que também possui produtos exclusivos desenvolvidos por uma equipe interna.

O negócio é administrado por outra empresa que possui com o seu cunhado, Gustavo Corrêa, a Loja Virtual Ana Hickmann. Com dois anos de existência, a experiência na internet é uma forma de Ana realizar o sonho de juventude de ter uma loja própria. Nessa empresa, ela pôde adotar à risca o seu modo centralizado de gestão. “Não terceirizamos nada, a não ser a entrega”, diz. “Mesmo o atendimento por telefone, fazemos em casa. Sei que assim a operação se torna mais cara, mas a chance de errar é muito menor.” Para ela, o grande risco na venda de produtos femininos é perder a confiança do seu público. “Quando você decepciona uma mulher, não tem volta”, diz. Parecendo biônica ou não, ela é mulher e sabe o que elas querem.

Fonte : Isto é Dinheiro.

0 comentários:

Postar um comentário